A Eletroestimulação é Segura?
Home / Saúde e beleza / Beleza / A Eletroestimulação é Segura?
A Eletroestimulação é Segura?

A Eletroestimulação é Segura?

Vamos analisar os prós e os contras deste recente sistema e avaliar finalmente se a eletroestimulação é segura

Hoje em dia quem mais ou quem menos escutou ou leu em algum momento a palavra eletroestimulação no âmbito de rendimento desportivo, reabilitação de lesões ou incluso em tratamento de estética.

O que é a eletroestimulação?

A eletroestimulação muscular (EMS) consiste em utilizar a electricidade de um dispositivo para conseguir a contração involuntária das fibras musculares.

Ao ser uma contração passiva, o sistema nervoso central não realiza nenhum trabalho ativo para recrutar unidades motoras na zona de aplicação, mais além de receber o estímulo eléctrico.

Esta zona de aplicação pode ser local ou global, de corpo inteiro (WB-EMS, pelas suas iniciais em inglês), o que recentemente está suscitando mais interesse nos centros de eletroestimulação.

Para que serve a Eletroestimulação?

Agora bem, a musculatura reaciona de forma diferente conforme a intensidade (Hz) que se aplique.

Quer dizer que em função do nosso objetivo, já seja de reabilitação, estético ou de rendimento, iremos modificar a intensidade de dito sinal e trabalharemos de forma passiva e/ou dinâmica realizando o exercício ao mesmo tempo que utilizamos a eletroestimulação.

Para que tenha uma ideia das intensidades (Hz) qie os dispositivos emitem conforme o modo ou programa que utilizemos para o nosso objetivo, corresponderia de forma genética assim:

FrequenciaObjectivo
1-3HzDescontracturante
4-7HzRelaxamento
8-10HzAumento de fluxo sanguíneo; Capilarização
10-33HzResistência aeróbica
33-50HzTonificante muscular
50-75HzForça e Resistência
75-120HzForça Explosiva
Para que o trabalho com eletroestimulação produza verdadeiras melhoras sobre nós, deve-se estabelecer uma adequada planificação, fixando um objectivo concreto e atendendo as especificações do fabricante sobre a correta colocação dos eletrões e a combinação do exercício.

Vantagens e inconvenientes da Eletroestimulação

Citando várias das vantagens do uso da electroestimulação:

  • Podemos incluir um maior volume de treinamento em cada sessão ou realizá-lo em menos tempo com os mesmos resultados, já que conseguimos manter uma maior atividade de contração das fibras de forma involuntária. Graças a isso, também reduzimos a possibilidade de causar lesões.
  • Se reduzirmos o tempo de trabalho e não precisarmos de muito tempo de activação voluntária da nossa parte, reduzimos a fadiga física e psicológica.
  • Uma maior capilarização sanguínea e irrigação das fibras musculares, mesmo as mais rápidas, pois estas também serão ativadas em baixa frequência quando aplicarmos a eletroestimulação. Isto traduz-se numa maior resistência ao trabalho intenso.

compex treino

Efeitos contraproducentes

Mesmo assim, a sua utilização também nos dará efeitos contraproducentes que temos de ter em conta e que considero da maior importância:

  • O trabalho de coordenação neuromuscular é praticamente nulo, pois não há inervação muscular na parte do cérebro.
  • Produz disfunção nos receptores proprioceptivos dos músculos, articulações e tendões, induzindo possíveis lesões devido a falhas na mesma propriocepção musculoesquelética.
  • Pouca ativação ocorre nas fibras mais profundas da musculatura

Sistemas Compex

Estes dispositivos têm uma tecnologia muito avançada baseada em impulsos eléctricos semelhantes aos que o próprio cérebro produz na musculatura e, como consequência, poderemos usá-los para trabalhar de múltiplas formas e com diferentes objectivos sobre nós.
complex

Compex é uma marca suíça dedicada ao estudo e fabricação de sistemas portáteis de estimulação muscular de alta qualidade.

A marca oferece uma ampla gama de dispositivos para escolher, e seu preço varia dependendo da geração (1ª, 2ª, 3ª ou 4ª) do modelo, quantidade e/ou variedade de programas e tecnologia.

Estes incluem o sensor Mi, que permite que certas características fisiológicas do músculo sejam medidas, analisadas e os parâmetros de estimulação adaptados em conformidade. O Sem fios, sistema sem fios por onda de rádio.

Podem variar entre 200€ e 1200€. Alguns modelos mais antigos (1ª ou 2ª geração) já não são fabricados mas podem ser obtidos no mercado de segunda mão a preços acessíveis.

O bom é que não é necessário fazer um ‘curso intensivo’ para aprender a operar estes dispositivos com alguma segurança, porque eles já vêm com um software simples e intuitivo e um formato que os torna muito práticos, removendo que a menos que você deixe a massa no modelo wireless, você terá que lidar com os cabos bem-aventurados toda vez que usá-la.

Sensor Compex

No entanto, há uma abundância de tutoriais on-line sobre como usá-los e combiná-los com treinamento de forma eficaz.

“A eficácia dos estimuladores Compex é apoiada por estudos clínicos; pertencem à categoria de dispositivos médicos da Classe II e cumprem os requisitos da Directiva Médica Europeia 93/42 CEE”

fato Eletroestimulador

O fato é que esse conceito está sendo cada vez mais ouvido, não apenas pela chegada do famoso “biosuit” da eletroestimulação, mas também por sua crescente evidência de melhorias em certos aspectos da saúde e do desempenho desportivo.

Nos últimos dois anos, a abertura dos centros de eletroestimulação está experimentando um aumento notável.

Provavelmente, os figurinos têm uma atração especial para o público, e mesmo o sentimento de rigidez experimentado nas primeiras sessões é criado como um sintoma de ter treinado muito melhor do que de forma convencional, mas a realidade é um pouco diferente dessas percepções.

Eletroestimulação aplicada ao Treino

Os métodos de utilização aplicados ao treino podem se agrupar em:

  • Método isolado: A EMS aplica-se sem realizar exercício.
  • Método combinado: A EMS aplica-se enquanto não se realiza exercício, mas combina-se com exercício voluntário convencional (sem EMS). Isto é, utilizam-se os dois métodos, mas em momentos diferentes.
  • Método sobreposto (imagem): Realiza-se exercício voluntário com EMS aplicada, seja através de um fato ou em alguna zona específica.

reabilitação

Cada uma destas metodologias tem a sua aplicação específica

Mas neste caso de lesão é quando melhor se responde a qualquer uma das três, já que segundo se indica, poderia ser uma ferramenta eficaz para lutar contra a redução da massa muscular e a função observada em numerosos problemas que conduzem a um longo repouso em cama.

Considerando esta primeira informação… Será que a maioria dos usuários deste tipo estão lesionados? Eu penso que não.

Quanto custa e que podemos esperar de uma sessão de eletroestimulação?

A uma média de 20€ por sessão, estes são alguns dos resultados que poderíamos esperar de acordo com os centros que o anunciam:

  • Trabalha mais de 300 músculos de cada vez.
  • Alcança musculatura profunda.
  • 10 minutos EMS = 4 horas de musculação ou 25 minutos EMS = 4 horas de exercício intenso.
  • Activa o metabolismo e queima a gordura 72 horas após cada sessão.
  • Melhora a força, resistência e tonificação com apenas 1 sessão de 20 minutos por semana.
  • Vais saltar mais alto, correr mais depressa. Primeiro sistema que melhora a velocidade em atletas de elite.
  • Tudo isto sem sofrer o alto impacto das articulações que desgastam as articulações.
  • Cientificamente comprovado.
Sem outras referências além destas, alguém que não esteja familiarizado com o SME pode pensar que é o método mais revolucionário e eficaz dos últimos anos e, até certo ponto, eles não são culpados por pensar assim.
Como em tantos setores, o marketing desempenha um papel importante no futuro do negócio e esses “resultados” são certamente a favor de quem os anuncia
No entanto, os profissionais do setor sabem que realmente não é assim e, a meu ver, teria que dizer a verdade completa para o cliente avaliar se ele quer ou não usá-la.EMS

Vamos a ver algunas de las verdaderas evidencias en las que podríamos apoyarnos para valorar sus resultados en los siguientes apartados

Perda de Gordura mediante eletroestimulação?

Um dos resultados mais prometedores e pelos que a maioria de usuários recorrem à EMS é a perda de peso e gordura em pouco tempo

Em 2012, realizou-se um dos estudos com mais referências e importantes até à data, no qual se comparava o aumento do gasto energético ao realizar exercício ativo levando coletes com o equivalente a andar com ou sem bastões

De facto, os próprios autores concluem dizendo que não é significativo para o sector, salvo que os clientes sejam incapazes (por lesão ou doença) de realizar exercício ativo.
Mais recentemente, outros resultados sugerem que o uso de EMS durante o exercício voluntário melhora as respostas cardiovascular e metabólica em pessoas com alguma doença metabólica, já que afeta de maneira particular o metabolismo da glicose.

Até aqui seria a parte que queriam vender-nos…

no entanto, “completando a verdade” há que dizer que os autores também adicionam que estas melhorias também não são significativas na hora de perder peso
estudo

O mais preocupante é que este tipo de clientes (doenças metabólicas como a diabetes) a EMS está contra indicada precisamente pelo seu efeito no metabolismo da glicose

Eletroestimulação para melhorar o rendimento, a força e hipertrofia

Ainda que o seu uso para a perda de peso/gordura está a supor o verdadeiro auge da EMS, os primeiros estudos que se realizaram e dos que mais bibliografia existe, orientam-se para a sua aplicação para melhorar o rendimento. Antes que nada temos que dizer que não é fácil estabelecer uma intensidade de trabalho como ocorre no treino voluntário, onde o 1RM se utiliza como medida.

 Com o uso de EMS, a intensidade estabelece-se em função do máximo que um individuo é capaz de suportar, o que depende diretamente da capacidade individual de aguentar a dor.
BODYTEC

Assim, estabelecer umas pautas de treino com EMS é complexo, o que faz com que em cada estudo se utilize um protocolo diferente.

Em qualquer caso, há um grande número de estudos que não encontra melhorias na utilização do fato WB-EMS frente ao treino convencional voluntário. Algumas das conclusões encontradas em investigações relevantes são:

  • O uso simultâneo de eletroestimulação de corpo inteiro junto ao exercício não compensa as possíveis deficiências devido à falta de voluntariedade, precisamente porque não existe voluntariedade com o WB-EMS.
  • O trabalho involuntário com EMS é incapaz de melhorar a coordenação entre os diferentes músculos implicados em movimentos complexos. Para colocar um exemplo claro, realizar um peso morto com ou sem fato não vai supor diferenças na melhoria da técnica do movimento, que supõe uma adaptação fundamental para continuar a melhorar no treino ativo.
  • A integridade articular mantém-se, sim; mas não se melhora, como acontece com o treino de força. Com as cargas compreensivas que se experimentam no treino de força (sempre dentro do limiar de tolerância), reforça-se a cartilagem fazendo com que seja mais resistente.
  • A EMS sobreposta sobre o treino voluntário interfere na aferência neurofisiológica evitando as adaptações neuronais das que depende a geração e o controlo da força.
    A combinação de ambos sistemas, EMS e exercício voluntário, não sobrepostos (sem ser ao mesmo tempo), melhora os resultados obtendo simplesmente com trabalho voluntário em desportistas em quanto a força. As melhorias em hipertrofia muscular não foram bem evidenciadas.
  • As melhorias em força com WB-EMS sobreposto demonstraram ser valoráveis com uma frequência de uso de pelo menos 3 vezes por semana, durante 5 semanas.
hipertrofia 4 semanas
Atendendo a isto e comparando com a que se publicita e falamos citado anteriormente, não “saltará mais rápido e irás correr mais rápido” salvo que já pule alto e corra rápido

É segura?

Qualquer método de treino tem as suas contra-indicações, limitações e certos perigos

Mas no caso dos fatos WB-EMS isto pode ser um aspecto importante que nem sempre se tem em conta devidamente, sobretudo pela falta de conhecimento ao respeito.

Perigos Potenciais

Assim, algunss aspectos perigosos a considerar:

  1. Localização dos eléctrodos: Os fatos têm de respeitar a entrada dos pólos positivos (+) e negativos (-) da corrente, evitando que esta fique por dentro do próprio fato.
  2. A estimulação simultânea de peito e dorsal pode dar lugar a arritmias.
  3. Não se deve utilizar para o trabalho de força máxima (isometria), senão para o trabalho de resistência.
  4. As famosas dores musculares às que fazíamos referência ao início do artigo são devidas em grande parte à dor pela estimulação dos nervos periféricos e não por verdadeiras micro roturas nas miofibrilas.
  5. Verdadeiro risco de sofrer rabdomiolisis em sujeitos pouco treinados, que na maioria dos casos são os que acode aos centros de EMS.

Está contra-indicado para:

  • Epilepsia, marcapassos cardíacos e/ou desordenes circulatórios graves.
  • Hérnia de abdómen ou inguinal.
  • Tuberculose.
  • Perturbações neurológicas graves.
  • Doenças inflamatórias.
  • Tendência a sangrados (cuidado com as mulheres durante o período).
  • Pele irritada, queimaduras e feridas.
  • Doenças que afetem o metabolismo muscular (ex. diabetes, obesidade).
Tudo isto torna necessária a supervisão contínua por parte de um profissional, o que unido ao elevado custo de compra do fato e da sua manutenção, eleva o custo de sessão a uma media de 20€.

Pouco rentável

Considerando

tudo o que dissemos até agora, o WB-EMS não aporta benefícios extra significativos ao treino convencional, pelo que estaríamos a pagar uns 80€/mês (1 sessão por semana, como se publicita) para nem sequer conseguir esses benefícios, já que 1 sessão por semana é realmente improdutiva.

No caso de querer ver resultados reais com WB-EMS sobresposta, haveria que investir uns 60€ semanais (3 sessões por semana). Até diminuindo a frequência a duas sessões por semana, com o que “algum” pequeno resultado se obteria (ainda que não superior ao do treino convencional), seriam 40€/semana.

Se um ginásio convencional (não um “low cost”, que é uma opção até mais económica) ronda os 40€/mês para poder acudir tantas vezes como se quer, e sabendo que os resultados estariam mais garantidos, não parece ser uma opção mais coerente que só o uso de WB-EMS?

Conclusões

En resumo, parece ser que a melhor opção é o treino convencional com resistências combinado com EMS local (não WB-EMS)
Isto é, a EMS funciona (ainda que não seja um método milagre) sempre e quando se use como complemento e nunca como alternativa ao treino com resistências convencional (tudo isso, sem ter em conta o tal custo económico). Por último, gostaria destacar que, ainda que não foram comparados de maneira directa, as melhorias obtidas a meio prazo (mesociclo) em quanto a força com o EMS (3 sessões por semana) não são superiores às obtidas, por exemplo, com o método de potenciação pós activação.

Enquanto que as adaptações neuronais, sem demonstraram aumentar com PAP contra a a EMS.

Com este pequeno exemplo ilustra-se que há outros métodos de treino complementários ao treino de força convencional que são iguais ou superiores ao WB-EMS, com menos material e menos custo económico.

Fontes

  1. Dehail, P., Duclos, C., & Barat, M. (2008). Electrical stimulation and muscle strengthening. In Annales de réadaptation et de médecine physique (Vol. 51, No. 6, pp. 441-451). Elsevier Masson.
  2. Filipovic, A., Kleinöder, H., Dörmann, U., & Mester, J. (2012). Electromyostimulation—a systematic review of the effects of different electromyostimulation methods on selected strength parameters in trained and elite athletes. The Journal of Strength & Conditioning Research, 26(9), 2600-2614.
  3. Kemmler, W., & von Stengel, S. (2013). Whole-body electromyostimulation as a means to impact muscle mass and abdominal body fat in lean, sedentary, older female adults: subanalysis of the TesT-III trial. Clinical interventions in aging, 8, 1353.
  4. Kemmler, W., Von Stengel, S., Schwarz, J., & Mayhew, J. L. (2012). Effect of whole-body electromyostimulation on energy expenditure during exercise.The Journal of Strength & Conditioning Research, 26(1), 240-245.
  5. Herrero, J. A., Izquierdo, M., Maffiuletti, N. A., & Garcia-Lopez, J. (2006). Electromyostimulation and plyometric training effects on jumping and sprint time. International journal of sports medicine, 27(07), 533-539.
  6. Ortega, F.B. (2014). Electroestimulación muscular en el mundo del fitness: base fisioógica y evidencia científica actual. Presentación en VII Simposio Internacional de actualizaciones en entrenamiento de Fuerza. Facultad Cc. Actividad Física y Deporte. Universidad Politécnica de Madrid.
  7. Taylor, T., West, D. J., Howatson, G., Jones, C., Bracken, R. M., Love, T. D., … & Kilduff, L. P. (2014). The impact of neuromuscular electrical stimulation on recovery after intensive, muscle damaging, maximal speed training in professional team sports players. Journal of Science and Medicine in Sport.
  8. Watanabe, K., Taniguchi, Y., & Moritani, T. (2014). Metabolic and cardiovascular responses during voluntary pedaling exercise with electrical muscle stimulation. European journal of applied physiology, 114(9): 1801-1807.
  9. “Superentrenamiento”. Mel C. Siff., Yuri Verkhoshansky. (2000). Ed. Paidotribo. 2ªEdición.
  10. Web oficial de Compex y compexblog.es

Artigos Relacionados

  • Agulhadas: O que são, porque se produzem, Como eliminá-las
  • Massagem desportivo, porque é necessário?
Content Protection by DMCA.com
Confira também
alho beneficios saúde
Alho, Propriedades Curativas e Benefícios para a Saúde

O alho é um ingrediente fundamental, muito utilizado na cozinha em grande quantidade de receitas, …

2 comentários
  1. Bom dia,

    Tenho interesse num bom equipamento.
    Como posso obter o mesmo, qual a qualidade, características e preço.

    Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gostas do nosso HSNBlog?
HSN Newsletter
Então imagina as promoções da nossa loja.

Deixa-nos os teu e-mail e terás acesso às melhores promoções temos para os nossos clientes


aceito a política de privacidade