Amilopectina
22 Produtos
Definir direcção ascendente

Amilopectina

O que é a Amilopectina?

A Amilopectina trata-se de uma fonte de energia, procedente dos hidratos de carbono, em concreto é um tipo de polissacarídeo, constituído por uma estrutura ramificada formada por sua vez por múltiplas unidades de glicose. Cada molécula de amilopectina pode conter por volta de 100000 a 200000 unidades de glicose e, por cada ramificação, em torno a 20-30 unidades de glicose, de modo que se apresenta uma estrutura esférica.

Forma parte da estrutura do amido, um heteropolisacarido, onde se poderá encontrar a outro polímero: a amilase. Aproximadamente, o amido está formado por um 80% de amilopectina.

Índice de conteúdos Ocultar

  1. O que é a Amilopectina?
  2. Amilopectina Hidrato de Carbono Complexo
  3. Características da Amilopectina
  4. Amilopectina e Índice Glicémico
  5. Quais são os tipos de Amilopectina?
  6. Quais são os efeitos da Amilopectina?
  7. Amilopectina e Rendimento Desportivo
  8. Repor Energia depois do Exercício
  9. Amilopectina e Carga de Hidratos de Carbono
  10. Quando e como tomar a Amilopectina?
  11. Com o que é que podemos combinar a Amilopectina?
  12. Onde comprar Amilopectina?

Amilopectina Hidrato de Carbono Complexo

Pertence ao grupo de carboidratos complexos, denominação que recebem em função da existência de mais de 2 polímeros de glucose. Recordemos que a glucose é um monossacarídeo, isto é, a unidade básica na qual o nosso organismo vai utilizar as estruturas de hidratos que receba. Neste caso, se existe uma estrutura polissacarídea, tal como a amilopectina, é necessário de maneira prévia, ir reduzindo a sua estrutura molecular até conseguir alcançar a unidade (glicose).

A amilopectina possui certas particularidades na hora de realizar esta decomposição molecular, assim como é absorvida pelo nosso corpo, onde reside os seus efeitos benéficos.

Proporcionará energia de rápida e fácil digestão.

Características da Amilopectina

As duas características que sobressaem com respeito a outras fontes de hidratos de carbono serão:

  • Alto Peso Molecular
  • Baixa Osmolaridade

A primeira propriedade é um índice que nos indica o grau de degradação da estrutura molecular ao entrar dentro do nosso organismo. A maior índice menor degradação. Portanto, a amilopectina passará praticamente de maneira íntegra até chegar ao intestino onde será absorvida. A baixa osmolaridade indica que não absorverá água nem fluidos estomacais, reduzindo problemas derivados, como as cãibras e, além disso, a sua passagem pelo estômago vai realizar-se de uma maneira muito rápida, sem produzir nenhum tipo de mau estar estomacal.

Amilopectina e Índice Glicémico

O índice gliémico (IG) indica como se eleva a insulina em função do tipo de carboidrato. A amilopectina, apesar de possuir um IG elevado, não produzirá o decaimento típico que outras fontes, tais como os açúcares simples produzem. É outra razão pela qual o seu aporte será benéfico para o desportista, já que a glicose será fornecida de maneira sustentada à corrente sanguínea.

Quais são os tipos de Amilopectina?

A amilopectina é denominada dentro do âmbito da suplementação desportiva como “Waxy Maize”, sendo principalmente as fuentes de carboidratos que podemos encontrar:

  • Milhoz
  • Cevada
  • Batata

O glicogénio, que se encontra armazenado no nosso corpo, no fígado (glicogénio hepático) e dentro dos músculos (glicogénio muscular), é similar, em quanto à estrutura molecular, à amilopectina. Além disso, como sabemos que a maior percentagem que constitui o amido é a amilopectina, esta seria precisamente a versão vegetal do glicogénio e, daí que se opte pelo uso destas fontes. No entantoe, existem outras conhecidas, como a amilopectina de batata.

Quais são os efeitos da Amilopectina?

  • Melhorar o rendimento desportivo
  • Aporte energético para repôr a energia gasta durante o exercício ou bem como “carga” no momento antes

O principal objetivo ao tomar amilopectina será pela sua eficiente carga de glicogénio muscular, ou seja, a reposição da energia gasta procedente do substrato glucolítico após uma atividade física, ou como medida para abastecer com a suficiente antes do início da mesma para conseguir maximizar o rendimento.

Amilopectina e Rendimento Desportivo

Na hora de potenciar o rendimento desportivo, a amilopectina estará relacionada com aquelas atividades nas quais se dão as circunstâncias de:

  • Uso do glicogénio (alta intensidade)
  • Duração prolongada

Ainda que também se veriam afetados aqueles desportistas que realizam atividade de alta intensidade com intervalos (treino HIIT) ou uma sessão de levantamento de cargas (pesas).

Alguns exemplos destas atividades ou modalidades desportivas seriam: Atletismo, CrossFit, Desportos Coletivos (Futebol, Basket…), Desportos Individuais (Remo, Ténis, )… Como se pode observar em todos eles, o desportista estará submetido a uma elevada carga de trabalho, onde predominará a glucolise (exercício principalmente anaeróbico), uma via metabólica mediante a qual se produz a obtenção de energia de alto rendimento, a partir da glicose armazenada nos depósitos correspondentes, em forma de glicogénio e manter o nível de exigência e intensidade, em cada momento.

O que acontece é que os depósitos onde se armazenam os hidratos de carbono, são limitados e, neste caso, o ser humano dispõe de maneira aproximada, contando o máximo nível de capacidade, uma reserva de umas 2 horas. No entanto, o nosso corpo ao detetar a próxima depleção energética, responderá piorando o nosso rendimento “obrigando-nos” a cessar tal atividade.

Pode-se entender a importância de ir subministrando um aporte adequado para poder completar com sucesso o evento no qual nos encontremos, para poder manter o rendimento e as nossas capacidades físicas.

Repor Energia depois do Exercício

De acordo com certos fatores tais como: o tipo de atividade, a nossa condição física, o estado dos nossos depósitos energéticos e a duração e intensidade da atividade em questão, poderemos experimentar um declínio nas reservas. Não só ocorre o esgotamento do glicogénio muscular, senão que também terá lugar a mobilização do hepático. Se não são repostas de maneira ótima, pode acontecer que em sucessivas sessões desportivas, o rendimento não seja o esperado.

Fala-se, que em função dos fatores mencionados anteriormente, pode-se prolongar o tempo de reposição energética dos depósitos de 24 a 48h.

Amilopectina e Carga de Hidratos de Carbono

A estratégia de “Carga de Carboidratos” pré-competição foi utilizada por praticamente todos os desportistas que enfrentam um evento competitivo, dando resultados notáveis.

Este protocolo tenta produzir uma “Super-compensação” e divide-se em duas partes:

  • 1.- Nos dias prévios à competição reduz-se a ingestão de fontes de carboidratos, chegando quase ao 0, para conseguir a máxima depleção das reservas.
  • 2.- Carga de carboidratos, que de acordo com o nível de exigência da prova, além da experiência em cargas anteriores, por volta de 2-4 dias prévios, aumentaremos o consumo de hidratos de carbono, chegando até a ser de 80% do total calórico que forma a dieta do desportista.

Desta maneira, procura-se aumentar as reservas de glicogénio por cima dos valores normais ou aos que está acostumado o desportista.

O papel da amilopectina na carga de hidratos será o de ajudar no fornecimento energético e chegar a cumprir com os requerimentos necessários durante os dias que dure a carga de carboidratos. Por outro lado, devido às propriedades da amilopectina, o desportista não sofrerá nenhum tipo de mau estar estomacal procedente da toma da mesma, sendo portanto, um excelente recurso para ter em conta.

Durante a carga de carboidratos, poderemos tomar-la entre as distintas refeições que façamos durante o dia, assim como antes, durante e/ou ao finalizar o treino.

Esta técnica, que pode ter maior relevância naqueles desportos de rendimento, é também utilizada pelo círculo culturista, já que se produz um efeito estético desejado para a competição. A amilopectina também ajudará na carga de hidratos para a competição de culturismo.

Quando e como tomar a Amilopectina?

Podemos categorizar a mesma dentro dos suplementos de peri-treino, ou seja, aqueles que são tomados nos períodos antes, durante e/ou logo depois da sessão desportiva.

As propriedades que guarda a amilopectina tornam-na num suplemento ideal para estes momentos:

  • Antes de iniciar a atividade física (nos 30 a 45min prévios): desta maneira contribuímos para o enchimento parcial dos depósitos de glicogénio muscular, otimizando a posterior resposta durante o exercício físico. A quantidade de amilopectina recomendada seria à volta de 25-50g.
  • Durante o exercício físico: será permitido repor, de maneira quase instantânea, a energia que vamos gastando, conseguindo uma excelente resposta em termos de rendimento físico. Nos sujeitos treinados pode-se estimar uma depleção de glicogénio em torno a 2-3g por minuto. Assim, pode-se introduzir a amilopectina como bebida intra-treino com 25-50g por cada 30 minutos de atividade a alta intensidade.
  • Depois do exercício: aproveitaremos que a sensibilidade à insulina se encontra no máximo e, portanto, a re-síntese de glicogénio será a mais ótima. A quantidade de amilopectina recomendada seria à volta de 50-100g.

Com o que é que podemos combinar a Amilopectina?

A amilopectina pode combinar-se praticamente com qualquer suplemento orientado à recuperação e crescimento muscular.

  • Amilopectina com Proteínas de soro: podemos tomar um batido de pré-treino ou logo ao finalizar o treino composto por proteínas de absorção rápida e amilopectina, numa proporção de 2:1 a favor do carboidrato
  • Amilopectina com Creatina: podemos tomar um batido de amilopectina junto à creatina, como pós-treino e para recargar tanto os depósitos de glicogénio como os de ATP. Se estamos a realizar a fase de carga da creatina, esta seria uma das tomas a realizar durante o dia; se pelo contrario optamos por não realizar-la, diretamente juntaremos 1g de creatina por cada 10kg de peso corporal
  • Amilopectina com Glutamina: como recuperador do esforço físico, juntar como pós-treino um batido composto de amilopectina junto a 5-10g de glutamina será uma excelente opção
  • Amilopectina com Suplementos de Pré-Treino.

Podemos realizar um esquema de suplementação combinando os anteriores, de modo que ficaria assim:

  • Pré-Treino: 1 dose de Suplemento Pré-Treino junto a 25-50g de amilopectina
  • Pós-Treino: 25-50g de Proteína + 50-100g de amilopectina + creatina + 5-10g glutamina

Onde comprar Amilopectina?

Podemos adquirir-la aqui mesmo nesta página. Dentro do catálogo, um produto altamente recomendado trata-se da Amilopectina da linha HSN Raw Series, disponível em 1 ou 3kg, e nos sabores: Neutro, Limão, Morango, Laranja ou Tropical.

  A Carregar...